A bConnect tem operação inicial prevista para agosto. A plataforma vai trazer transparência e instantaneidade para o comércio exterior do Mercosul

network server room with computers for digital tv ip communications and internet

A semana foi de braisntorm em torno do projeto bConnect. Assim  está sendo chamada a rede blockchain que pretende integrar o comércio exterior do Mercosul. Representantes do Brasil, Uruguai Paraguai e Argentina estiveram reunidos num encontro técnico. O evento ocorreu na sede do Serviço Federal de Processamento de Dados, em Porto Alegre.

De acordo com o site oficial do Serpro, a rede vai ser dedicada à troca de dados acerca de empresas cadastradas como atuantes no comércio exterior. Trata-se, portanto, de uma operação fundamental para a aduana dos países envolvidos. Embora o encontro da capital gaúcha tenha sido anunciado como um momento de prototipagem e desenvolvimento do produto, o projeto está adiantado. A previsão é de que a plataforma esteja finalizada nos próximos dias e haja lançamento em agosto.

Conforme informação também divulgada pelo Serpro, haverá duas etapas. Primeiro,ocorre tramitação de informações entre Brasil e Uruguai. Já, na fase seguinte, o intercâmbio de dados envolverá todos os países envolvidos no projeto. Essa é a dinâmica que está de acordo com o depoimento do  representante da Superintendência de Relacionamento com Clientes Fazendários e Comércio Exterior do Serpro, Paulo Ramos.

Encontro pioneiro

O evento técnico ocorrido na capital gaúcha é o primeiro encontro sobre blockhain que envolve o Mercosul. Para o representante da Superintendência de Engenharia de Infraestrutura de TI do Serpro, o projeto têm claras vantagens. Uma delas é o estabelecimento de conexões seguras dentre os países do bloco. “Outro ponto interessante é o compartilhamento imediato de dados, próprio dessa tecnologia. Significa acabar com a necessidade de enviar informações de uma organização pra outra, pois essas informações já estão na rede blockchain”, destaca Misael Santos.

Santos também aponta, como fator importante a existência do que chama de auditoria embutida, tendo em vista o registro público de todas as operações. E isso com a preservação da autonomia de cada uma das administrações aduaneiras. Esse é o ponto trazido como destaque por outro técnico presente ao encontro.

“Precisamos fazer com que as informações trafeguem. Porém, um país desenvolver um sistema e subordinar o outro não seria uma opção viável. Então a camada criada terá esse caráter confederativo, no qual os países se integram, sem se sobrepor, sem perder soberania”, destaca o representante da Receita Federal”, diz o o representante da Receita Federal, Ronald Cesar Thompson, na notícia divulgada pelo Serpro.

Para Thompson, a bConnect é uma iniciativa disruptiva e inovadora, inclusive, no cenário mundial. O representante da Receita Federal avalia, ainda, que o recente acordo entre Mercosul e União Europeia abre a possibilidade de a rede englobar outros países.